Após breve história no futebol local nos anos 2000, ARUC está de volta e deve disputar a Segundinha de 2019
Foto: Reprodução da Internet
Por Danilo Queiroz

Famosa no futebol pelos belíssimos desfiles nas avenidas de samba do carnaval brasiliense, a Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro, mais conhecida como ARUC, tem uma pequena, mas intensa história no futebol do Distrito Federal, quando chegou a disputar algumas edições do Campeonato Candango no início dos anos 2000. Depois de se licenciar do esporte em 2005, o Gavião está de volta ao futebol local. A informação foi dada inicialmente pelo portal DF Sports

Dona de 31 títulos do carnaval, o time azul e branco do Cruzeiro Velho começou sua trajetória no futebol profissional em junho de 1999, quando foi criado seu Departamento de Futebol com forte influência de dirigentes do Gama, como Agrício Braga Filho e Wagner Marques. Márcio Coutinho, atual dirigente da Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF). O objetivo inicial do clube era revelar jogadores no cenário local. Com isso, em 2000 a ARUC participou do primeiro torneio de sua história: a Segunda Divisão do Campeonato Candango. 

A ligação com o alviverde também ficou nítida no primeiro elenco profissional da ARUC, já que praticamente todos os atletas haviam sido cedidos pelo Gama. Em 02 de setembro daquele ano, o time azul e branco entrou em campo pela primeira vez. O jogo inaugural da história do clube foi diante do Itapuã e aconteceu no gramado do estádio Mané Garrincha. A partida terminou empatada em 1x1, com o primeiro gol da nova agremiação sendo marcado pelo zagueiro Bilzão. Ao todo, foram 12 jogos na primeira fase do torneio, com seis vitórias, seis empates e a liderança da chave A.

Junto com o ARUC, se classificou o 26 F.C.. No grupo B da Segundinha de 2000, outro clube com expectativa de potência surgia no futebol local: o Brasiliense, também recém-inaugurado, passou sem dificuldade pelos seus jogos e garantiu uma das duas vagas da chave nas semifinais. A outra ficou com o Ceilandense, que viria a ser o adversário do time azul e branco na fase que definiria os dois classificados para o Candangão 2001. Como esperado, o Gavião e o Jacaré, já com a vaga na primeira divisão, se encontraram na decisão do torneio. Com vitória por 2x0, o time amarelo ficou com a taça.

Ascensão meteórica seguida de rápida queda


No ano seguinte, o objetivo da ARUC foi alcançado. Depois de iniciar o Campeonato Candango com dificuldades, o time azul e branco conseguiu se recuperar e garantir a permanência na primeira divisão do futebol do Distrito Federal. Em 2002, enquanto o Brasiliense acumulava lutas por títulos importantes, como a Copa do Brasil, e seguidas decisões do Candangão, o Gavião se limitava a lutar contra o rebaixamento ainda contando com jogadores cedidos pelo Gama.

A temporada de 2003 ficou marcada pelo fim da parceria com o alviverde. Com isso, a ARUC passou a contar com um time semi-profissionalizado, colhendo jogadores que se destacavam no futebol amador da cidade. O time azul e branco, inclusive, foi o primeiro do folclórico goleiro Serjão, que posteriormente alcançou o status de ídolo do Ceilândia. A ideia não vingou e a equipe acabou sendo rebaixada para a Segundinha. 

Uma brecha no regulamento local permitiu que a ARUC disputasse a volta ao Candangão no mesmo ano. Porém, a empreitada não teve sucesso. O clube ainda tentou retornou para a elite do futebol nas duas temporadas seguintes, mas em 2005 acabou rebaixada para a recém-criada terceira divisão do Distrito Federal. O baque foi demais para as pretensões do clube, que acabou encerrando suas atividades no futebol profissional.

Volta com as mesmas raízes


O retorno da ARUC ao futebol candango apresenta características similares as que iniciaram a primeira fase do departamento profissional do clube em 2000. Assim como nos primeiros passos no esporte, o clube volta a contar com o apoio de um nome gamense: Alberto Carlos Mohamad, ex-responsável pelas categorias de base do alviverde, foi o responsável por reativar o futebol azul e branco.

As pretensões iniciais também são as mesmas e o clube deve se dedicar inicialmente as categorias juvenis com o objetivo de revelar novos nomes para o esporte do Distrito Federal. Os torneios locais infantil e juvenil irão acontecer nos próximos meses. O retorno da ARUC à segunda divisão do Candangão deve acontecer na próxima temporada.

Principais títulos da ARUC no futebol de campo


- Campeão Amador de Interclubes (1992)
- Campeã da Taça Alumínio/SP (1992)
- Vice-campeão Amador de Interclubes (1993)
- 3º lugar no Campeonato Amador da FMF (1996)
- Vice-campeã da Divisão de Acesso Profissional (2000)
- Campeã da Copa AGAP juvenil (2002)
- Bicampeã do Torneio Início da LIDESC (2005,06)
- Tricampeã do Torneio do Boi (2004,05,06)