Há oito anos, o Jacaré lançava um uniforme inusitado para homenagear o gênero musical
Foto: Divulgação/Brasiliense
O dia 13 de julho é conhecido mundial como dia do Rock. Mas, para os torcedores do Brasiliense, a data também é marcada por uma homenagem do clube amarelo ao ritmo. Há oito anos, o Jacaré resolveu embarcar na temática e entrou em campo com uma camisa estilizada para homenagear um dos estilo de música com mais fãs em todos os cantos do Brasil e do mundo. 

Conhecido por seu tradicional uniforme amarelo, o time de Taguatinga abandonou suas cores principais e investiu em uma camisa com tons variados de azul e diversos símbolos não tradicionais ao futebol, mas que remetem bastante ao gênero musical homenageado, como caveiras. Para indentificá-la com o Brasiliense, a diretoria decidiu manter a cruz que aparecia no uniforme número um da equipe, com o escudo na altura do peito.

A ideia partiu de dentro do clube. Fã de Metallica, Black Sabbath, AC/DC, Sex Pistols, Ramones, The Distillers e Misfi, a funcionária Aline Silva trabalhava na área de comunicação do clube amarelo. A ideia rapidamente ganhou admiradores dentro do clube, que resolveram tirar o projeto do papel e dar vida ao novo uniforme do Brasiliense, que ganhou uma versão preta tempos depois.

Segundo a idealizadora, a camisa visava fazer com que Brasília, cidade reconhecida por diversas bandas de renome nacional, como Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial, se sentisse representada pelo clube de Taguatinga. Como o Jacaré não tinha um setor de marketing, coube ao próprio departamento de comunicação tirar a ideia do papel.

O meia Iranildo revelou que os jogadores se "assustaram" ao encontrar os uniformes no vestiário
Foto: Reprodução da Internet

O novo uniforme causou uma impressão no mínimo inusitada dos jogadores que estavam na equipe. No dia do lançamento, o meia e ídolo do Jacaré Iranildo comparou a camisa a um "abadá" e disse que os jogadores ficaram um pouco "assustados" com o que haviam encontrado nos vestiários do estádio Serejão. O primeiro gol do inusitado uniforme foi marcado pelo atacante Aloísio Chulapa diante do América-MG.

O sucesso do uniforme foi tanto que o clube, que não costumava vender seus uniformes oficiais, passou a comercializar o uniforme. Muitos fãs de rock curtiram a camisa, fizeram encomendas de todo Brasil, tanto que o clube de Taguatinga enfrentou dificuldades para lidar com a demanda de pedidos no site oficial. Até hoje é possível encontrar os inusitados uniformes à venda em diversos sites na internet.

Longe dos gramados até 2019, o time não teve a oportunidade de utilizar seu icônico uniforme nesta sexta-feira 13, mas a história das camisas do rock do Brasiliense estarão vivas para serem contadas para as próximas gerações de torcedores do clube amarelo.