Campeão do Candangão cinco vezes, o TEC se fundiu ao Atlético Taguatinga e está de volta ao cenário local
Foto: Reprodução da Internet
A Águia ressurge das cinzas no futebol do Distrito Federal. Depois de 19 anos de ausência no cenário esportivo local, o Taguatinga Esporte Clube voltará a disputar um torneio oficial com a participação na segunda divisão do Campeonato Candango, que está marcada para começar em agosto. A reestreia do clube será diante do CFZ, na rodada inaugural do torneio de acesso ao Candangão. O TEC se fundiu ao Atlético Taguatinga para retornar às atividades profissionais.

Na volta aos gramados brasilienses, o clube utilizará toda a base construída pelo seu co-irmão em 23 anos de existência. Toda a diretoria, comandada por Edmilson Marçal e Abrãao Hildo, além de sua estrutura financeira e física, com Centro de Treinamentos (atual CT do Jaguar), site oficial e redes sociais, passaram a integrar o Taguatinga. As cores azul e branco também voltam a ser as principais da agremiação, substituindo o rubro-negro utilizado pelo Atlético Taguatinga. 

O documento que garante o retorno da agremiação foi homologado em 2 de junho, mas o anúncio do retorno do Taguatinga só foi confirmado na segunda-feira (25/06), através de nota no site oficial do clube. O escudo do time também sofreu mudanças. Agora, a imagem do mascote passa a figurar abaixo forma geométrica em azul com a famosa sigla TEC. Os novos uniformes da Águia, já com as novas cores, serão apresentados nos próximos dias. 

Fundado em 27 de janeiro de 1964, o Taguatinga alcançou bom destaque no esporte candango. Ao longo de 35 anos de atividades, o clube alcançou a glória máxima em cinco oportunidades, ao ser campeão do Campeonato Candango em 1981, 1989, 1991, 1992, 1993. O time azul e branco foi vice-campeão local outras cinco vezes: 1978, 1985, 1986, 1987 e 1990.

Reprodução/Site Oficial Taguatinga E.C.
Mesmo com a gloriosa história, o TEC começou a sucumbir no Campeonato Candango, se transformando em um dos maiores exemplos da má-gestão que assola a história de boa parte dos clubes profissionais do Distrito Federal. E a queda da Águia começou logo após de um dos seus períodos mais gloriosos, quando o clube havia acabado de conquistar seu tricampeonato local - 1991, 1992 e 1993.

Após o período de sucesso, a equipe começou um verdadeiro vai-e-vem na elite do futebol candango. Depois de amargar seu primeiro rebaixamento em 1996, o Taguatinga se recuperou e conseguiu o acesso de volta à elite do Candangão logo na temporada seguinte. Porém, uma nova queda em 1999 e diversos problemas financeiros fizeram com que a Águia amargasse um período que culminaria no fim de seu departamento de futebol. 

Com dividas astronômicas e a saída de Froylan Pinto - homem forte do time que deu a ele o status de campeão a partir da década de 1980 -, a equipe saiu de cena no futebol local. Com todos os trâmites jurídicos da fusão finalizados, o Taguatinga retomou sua filiação junto à Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e está pronto para começar a reescrever sua gloriosa história.