Guia do Campeonato Candango 2018



Danilo Queiroz - Para o Correio Braziliense


Os torcedores dos clubes do Distrito Federal já podem preparar o coração. A partir de hoje, a bola voltará a rolar nos gramados da capital federal com o início da 60ª edição do Campeonato Candango - 43º da era profissional. Em 2018, serão doze equipes em busca do título de campeão do futebol local. Detentor do troféu de 2017, o Brasiliense entra em campo em busca do bicampeonato local. Ceilândia - vice-campeão nas duas últimas edições - e Gama despontam como os principais adversários que podem impedir o reinado do Jacaré.

Remanescentes da última temporada, Sobradinho, que não vence o Candangão desde 1986, Luziânia, único clube de fora do DF a levantar a taça, Real e Paranoá correm por fora e tentam surpreender os favoritos. Completando a lista de "forasteiros" do campeonato, Formosa e Paracatu terão a missão de levar o título local para fora do DF pela terceira vez na história. Vindos da segundona, Bolamense, estreante no torneio, e Samambaia, de volta após 20 anos, iniciam o estadual com status de azarões.

Dos doze participantes desta temporada, cinco já sentiram o gosto de levantar o troféu do principal torneio da cidade: Gama, maior campeão do estadual com onze títulos, Brasiliense, com nove conquistas, Ceilândia e Luziânia, duas vezes cada, e o Sobradinho, com uma taça, são as equipes que já possuem o Candangão em suas respectivas salas de troféus. O Brasília, terceiro maior vencedor local e rebaixado no ano passado, é a grande ausência da atual temporada.

A fórmula do estadual de 2018 será a mesma utilizada no último campeonato: todos os clubes se enfrentaram entre si em turno único, com os oito primeiros se classificando para a segunda fase da competição, que começa a partir das quartas de final. Os donos das melhores campanhas terão a vantagem de decidir em casa e de jogar por dois resultados iguais até a semi-final. Os dois piores times da primeira fase serão rebaixados à Segunda Divisão.

Os dois duelos da grande final do Campeonato Candango serão disputados no Estádio Mané Garrincha, palco de sete partidas da Copa do Mundo de 2014: o jogo de ida está marcado para 31 de março, enquanto a partida decisiva ocorre em 7 de abril. Os dois confrontos estão marcados para às 16h. Para todo o campeonato, ficou estabelecido que o preço dos ingressos deverá variar entre R$ 1,00 e R$ 50,00, sem valor diferenciado para torcida visitante.

Foco nas vagas nacionais

Além do título, o Candangão possui outros atrativos para os clubes que estão na disputa em 2018. Fato corriqueiro no futebol do Distrito Federal, a maioria das equipes não possui divisão no futebol brasileiro. Com isso, o bom desempenho no estadual é fundamental para os times que desejam ter um calendário mais longo em 2019.

Neste ano, apenas Brasiliense e Ceilândia possuem compromissos para toda a temporada. Além dos jogos do Candangão, o Jacaré e o Gato Preto irão disputar também a Copa Verde, a Copa do Brasil e a Série D do Campeonato Brasileiro. Todas as vagas foram obtidas devido ao desempenho no campeonato local, já que os dois clubes foram os finalistas do torneio do ano passado - o título ficou com a equipe de Taguatinga.

Na edição atual, de acordo com o regulamento geral do torneio, as vagas para as competições nacionais ficarão distribuídas da seguinte maneira: o campeão e o vice têm participações garantidas nas Copas Verde, do Brasil e na Série D do Brasileirão - caso algum time finalista do Candangão já tenha obtido classificação para algum dos torneios de outras formas, as vagas são realocadas para os eliminados em fases anteriores.

Medalhões e “famosos” dão as caras no Candangão

Dimba, Túlio Maravilha, Aloísio Chulapa e Tuta e outras nomes reconhecidos no Brasil inteiro já ocuparam o posto de estrelas do Campeonato Candango. Marca registrada da história recente do torneio local, os medalhões do futebol brasileiro estarão presentes mais uma vez nos gramados do Distrito Federal em 2018. Assim como nos últimos anos, o Brasiliense será a principal casa de nomes que já obtiveram destaque em grandes clubes no cenário nacional e mundial. O elenco do Jacaré conta com o lateral Cicinho, ex-Real Madrid, os volantes Souza, ex-São Paulo, e Radamés, ex-Fluminense, e os atacantes Nunes, ex-Vasco, e Reinaldo, ex-Paris Saint-Germain.

O Gama tratou de contratar uma estrela internacional para rivalizar com o Jacaré e disputar o Candangão: trata-se do zagueiro Lúcio. Pentacampeão mundial com a seleção brasileira em 2002, o jogador de 39 anos chega para ser a principal referência do clube alviverde. O Real também trouxe um atleta que esteve recentemente nos holofotes do cenário esportivo. O meia Héverton, pivô do polêmico rebaixamento da Portuguesa no Brasileirão de 2013, é um dos destaques do Leão para a temporada.

Em 2018, nomes como o volante Iniesta, o meia Kaká, o goleiro Dida, o atacante Michel Platini e o zagueiro Klisman, também estarão presentes no Campeonato Candango. Mas calma, pois obviamente não se trata dos astros de renome internacional e sim de homônimos dos conhecidos craques que jogarão respectivamente por Bolamense, Real, Sobradinho e Paranoá.

O Santa Maria é o time que conta com a maior quantidade de “nomes de peso” em seu elenco. O ataque titular, inclusive, é formado por dois “famosos”: Romário e Guerrero. O clube conta ainda com o meia Di Maria no banco de reservas. Nomes como Miler, lateral do Paracatu, e Imperador, atacante do Paranoá, também estarão em campo a partir de hoje.

Os 12 candidatos ao título
Bolamense
Único novato na disputa do Campeonato Candango, o Bolamense busca surpreender os clubes mais tradicionais da cidade. O técnico Marquinhos Carioca permanece no comando do time, que foi bastante reformulado: apenas cinco nomes continuam no elenco que venceu a segunda divisão de 2017.

Brasiliense
Campeão em 2017, o Brasiliense entra em busca do bicampeonato local. Principal força do futebol do DF no Século XXI, o Jacaré esteve presente em dez finais nos últimos 14 anos - levantou nove taças. Para 2018, o clube aposta mais uma vez em medalhões: Souza, Radamés, Reinaldo, Nunes e Cicinho serão os responsáveis por tentar o décimo título candango do time.

Ceilândia
Vice-campeão em 2016 e 2017, o Ceilândia busca a terceira final seguida de estadual. Desta vez, querendo conquistar a taça. O elenco do time foi bastante reformulado para esta temporada, porém, o treinador é um velho conhecido da torcida ceilandense: Adelson de Almeida estará mais uma vez à frente do alvinegro.

Formosa
Após realizar uma campanha irregular em 2017 e flertar com a zona de rebaixamento, o Formosa tenta fazer uma campanha mais consistente no Candangão. Para isso, o clube, localizado a 81 km da capital, aposta nos gols do atacante Marco Aurélio para fazer bonito em 2018.

Gama
Maior campeão da história, com 11 títulos, o Gama chega para ao Candangão embalado pela contratação do pentacampeão mundial Lúcio e aposta todas as suas fichas na competição em busca de um calendário mais longo para 2019. O time comandado pelo técnico Carlos Alberto Dias conta ainda com a volta do lateral Rafinha, presente na última conquista alviverde em 2015, e do meia Fábio Gama.

Luziânia
Representante da cidade goiana que fica a cerca de 60 km de Brasília, o Luziânia chega com o objetivo de realizar mais uma boa campanha e repetir o feito de 2014 e 2016, quando levou a taça do Candangão para fora do Distrito Federal. Uma das referências do elenco, o zagueiro Perivaldo inicia sua 11ª temporada com a camisa do time goiano. O lateral-direito Tom e o volante Castro Júnior também continuam na equipe.

Paracatu
Empolgado com a boa campanha realizada em 2017 - o clube chegou às semifinais -, o Paracatu chega em 2018 buscando sua primeira final de Candangão. O principal nome do elenco do time mineiro, que fica sediado a 200km de Brasília, é o atacante Paulo Rene, artilheiro do campeonato de 2012 pelo Gama.

Paranoá
Após alcançar o objetivo de se manter na elite do futebol candango, o Paranoá chega para a temporada 2018 buscando alçar voos mais altos. Com um elenco mais experiente, o clube contará com o volante Agenor, que conquistou três títulos locais com a camisa do Brasiliense. Ex-Barcelona B, Rafa Fontes também é aposta. O zagueiro Índio, ex-Gama, também está no Sucuri.


 Real
Após uma boa estreia na elite em 2017, o Real chega com o objetivo de alcançar sua primeira final de Candangão. A base do time é composta por nomes que representaram o Luziânia no Brasileirão Série D. O grande destaque do time é o meia Héverton, pivô da queda da Portuguesa na Série A de 2013. O experiente volante Pedro Ayub, de 40 anos, também defenderá as cores do Leão.

Samambaia
Campeão da segundona de 2017, o Samambaia está de volta à primeira divisão do Candangão após 20 anos. Porém, antes mesmo do campeonato começar, o clube já se tornou o primeiro a trocar de técnico ao demitir Antônio Dumas. Quem assumiu foi o interino Fiuza. A grande referência do elenco é o experiente atacante Wesley Brasília, de 36 anos.

Santa Maria
Na sua quinta temporada seguida na elite do Candangão, o Santa Maria busca
ir além das quartas de final pela primeira vez na história - foi eliminado três vezes nesta fase. Para isso, formou um ataque com “nomes de peso”: Guerrero e Romário são os homens da linha de frente do técnico Carlos Spinoza. Velho conhecido do futebol de Brasília, lateral-direito Amaral, ex-Brasiliense, também está no elenco.

Sobradinho
Um dos times mais tradicionais do Distrito Federal, o Sobradinho busca quebrar um jejum de 22 anos sem títulos do Candangão: a última vez que o Leão da Serra levou o caneco foi em 1986. Repetindo a receita de 2017, o clube apostará em um elenco com jovens atletas e na referência do atacante Michel Planiti para tirar o time da longa fila de espera.



Curiosidades do Candangão 2018
  • O Santa Maria usará sua estreia para apresentar a sua torcida o hino oficial do clube, que foi composto pelo maestro Roberto Farias

  • Após oito meses inativo, o Mané Garrincha voltará a ser utilizado. Brasiliense e Real farão o jogo que reabrirá o estádio

  • Devido a indisponibilidade de laudos do Rorizão, o Samambaia deseja mandar suas partidas em Urucuia (MG), a 300 km de Brasília

  • Sem receber jogos desde o Candangão de 2016, o Serejão voltará a ser utilizado. O estádio será a casa do Bolamense no torneio

  • Clube com sede mais distante da Capital Federal, o Paracatu percorrerá cerca de  2.050 km para jogar a primeira fase do estadual

  • Buscando o bicampeonato local, o Brasiliense tentará quebrar um tabu: desde 2009 um clube não emplaca duas conquistas seguidas no DF



Maiores campeões
Gama - 11 títulos
Brasiliense - 9 títulos
Brasília - 8 títulos